Fatores que Contribuem para o Abuso e Dependência de Substâncias

Fatores que Contribuem para o Abuso e Dependência de Substâncias

Quando se trata de falar de dependência química ou de comportamento adictivo, não deve-se deixar de lado fatores que contribuem para o abuso e dependência de substâncias. Conforme citado em diversas de nossas matérias informativas em nossa página, a dependência em substâncias químicas independentemente da licitude, é apenas um resultado de um conjunto de fatores anteriores à questão do uso propriamente dita. Sendo assim, apesar de indivíduos possuírem o CID 10 – F19* em comum, o tratamento da dependência química em partes é generalizado, todavia há uma grande individualidade no tratamento psicossomático e principalmente na questão das comorbidades intrínsecas envolvidas no processo.
*(CID 10 – F19 – São as classificações médicas para transtornos mentais e comportamentais relacionados ao abuso de substâncias)

A famosa frase que as recaídas são “as cerejas do bolo” mesmo que citadas por conveniência em grupos de apoio como Narcóticos Anônimos e Amor Exigente, apesar de generalizada não está errada. O principal intuito e consequentemente assunto dessa matéria informativa é justamente citar alguns dos fatores que contribuem para o abuso e dependências de substâncias. Tentaremos exemplificar de maneira simples e corriqueira, o porque uma pessoa tende a usar a substâncias psicoativas de maneira compulsiva e obsessiva e que, mesmo sabendo dos prejuízos inerentes ao longo prazo, continuam a usá-las mesmo assim.

Então, o Grupo Reabilitação irá particionar esse artigo em algumas partes primordiais. Partiremos do pressuposto do mundo moderno e o que ele exige das pessoas que nele habitam no contexto atual e no processo evolutivo. A partir disso explicar como esse meio faz com que as pessoas se sintam desmotivadas em alguns processos e dentre esta questão, explicar a dicotomia entre comportamento adictivo e dependência química. Posteriormente exemplificar que esses comportamentos estão ligados entre si e concomitantemente com certos abusos que não necessariamente estão conectados ao consumo de narcóticos, pelo menos início. E por fim fazer uma analogia e uma conclusão final sobre todos os fatores que contribuem para o abuso e dependência de substâncias.

Um Admirável Mundo Novo

Hoje se vive pensando no amanhã, quem nunca escutou “Prepare-se hoje para os imprevistos de amanhã”?. Somos programados desde a infância para extrair o máximo de produtividade de nós mesmos através do máximo conhecimento adquirido justamente para ter o sucesso tão esperado e reconhecido que o mundo prega atualmente. Ser bem sucedido implica em ter uma casa própria, um carro, uma família feliz, um bom emprego, viajar e ter estabilidade financeira.

Para justificar esse pensamento e deixá-lo mais explícito, digamos que todos os meios de disseminação em massa vinculam o sucesso ao trabalho incessantemente árduo e da maneira mais eficaz. Quer ser rico? Trabalhe exaustivamente para conseguir o sucesso. Os coaching’s de hoje pregam essa premissa. “Venda sua imagem”; “Faça cursos online”; “Alcance a riqueza rapidamente e sem esforços” – essas frases clichês estão implícitas cada vez mais em nossas vidas, sejam nas propagandas do Youtube ou do Instagram e Facebook.

Entretanto isso reflete diretamente na saúde mental de maneira direta e objetiva. Não se irá adentrar nas questões de consciência de classe neste artigo, entretanto, fomentar uma ideia de sucesso de maneira generalizada implica na questão da individualidade, já que cada indivíduo é único e tem aspirações diversificadas. Além do mais, generalizar essa ideia de trabalho exaustivo com intuito de ser bem sucedido nada mais é, que cá venhamos, um princípio básico do capitalismo. Concomitantemente quando, apesar de dar duro e não conseguir os resultados esperados, a sensação de frustração e ansiedade emergem.

Ansiedade

Em “Ansiedade o mal do Século” o escritor Augusto Cury, famoso pelos seus livros de autoajuda, explica exatamente como a ansiedade pode ser precursora de diversas doenças mentais como a depressão e outros transtornos da mente.

A ansiedade é ainda fonte de vários outras doenças e síndromes que podem dificultar a nossa vivência.
Segundo Abreu, “A ansiedade pode levar à síndrome do pânico, fobias, transtornos, síndromes, mutismo seletivo, stress e depressão.
Para contrariar essas situações é necessário aprender a lidar com a ansiedade e saber como a controlar.
“Falta de metas de curto e longo prazo elevam a ansiedade e levam à depressão. É importante criar não só metas de longo prazo, mas as de curto. Principalmente quem sofre de ansiedade;
Respiração, procure respirar fundo quando sente-se ansioso;”
(Fonte: EcoDebate – Ansiedade Pode ser Um precursor da Depressão – Por Jenifer da Silva; <https://www.ecodebate.com.br/2020/07/10/ansiedade-pode-ser-um-precursor-da-depressao/>)

Portanto, o estado de ansiedade faz com que todos os processos metabólicos no corpo do indivíduo alimentem ainda mais esse estado. Sendo assim a ansiedade além de precursora de diversos distúrbios da mente, pode na maioria dos casos onde há comportamento adictivo, levar a ter certos tipos de comportamentos com o intuito de cessar esse estado ansioso.

Comportamento Adictivo

De maneira sucinta, o comportamento adictivo é um conjunto de comportamentos compulsivos e obsessivos que têm como principal objetivo suprir a sensação de desconforto nos permeios das fragilidades emocionais ou não de um indivíduo. Esses comportamentos são resultados de processos onde justamente a ansiedade e a frustração estão predominantemente presentes e podem estar ligados à um conjunto de atitudes repetitivas onde, por costume, crê-se que tal questão comportamental irá cessar tal desconforto.

O Alívio na Substância

Todos os tópicos anteriormente declinados dentro desta matéria informativa, remetem ao título da mesma. A ansiedade, as fragilidades e o comportamento adictivo estão presente em 100 por cento dos casos onde há o consumo de narcóticos de maneira abusiva. Então pode-se citar veementemente que tais condutas remetem aos fatores que contribuem para o abuso e dependência de substâncias.

Resumidamente, livrar-se dessas sensações desconfortáveis ou fugir de certas fragilidades em compras, sexo e drogas são as maneiras mais simples de cessar tais sensações. O alívio na substância, independente da licitude ou não, também é um meio de relutar contra certos enfrentamentos na vida. Entretanto, para poder ajudar as pessoas que estão com dificuldades para parar com o abuso das mesmas, entre em contato conosco na nossa página do Grupo Reabilitação.

Share:
Importante: Este site usa cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.