Como Internar Menor de Idade em Clínicas de Recuperação

Como Internar Menor de Idade em Clínicas de Recuperação

É comum vermos diversas pessoas entrando e saindo de instituições, entretanto você sabia que muitos adolescentes também têm problemas com drogas e que suas famílias não sabem como internar menor de idade em clínicas de recuperação?

Com as drogas adentrando cada vez mais dentro de diversos grupos, inclusive o de adolescentes menores de idade, o perigo é maior ainda. Com o cérebro em desenvolvimento até em média 21 anos, a utilização de substâncias psicoativas entre 12 e 20 anos é algo que tem crescido no Brasil e que se não tratado imediatamente terá graves consequências.

Justamente por conta disso, muitas pessoas que sofrem com forte dependência química atualmente e que iniciaram sua fase ativa ainda dentro da adolescência, têm dificuldades para se recuperar. Por isso, atrapalhar o desenvolvimento e formação cerebral com narcóticos pode gerar comorbidades irreversíveis pro resto da vida como bipolaridade e esquizofrenia.

Com o intuito de manter nossos leitores informados, o Grupo Reabilitação tem como principal alvo auxiliar as famílias que necessitam de apoio justamente porque não sabem como proceder com o tratamento da dependência química e da doença do comportamento adictivo.

Além do mais é mais que importante, ter o conhecimento necessário para que não se realize o tratamento de forma inadequada. Lembre-se que como a dependência química é uma doença que evolui rapidamente, a assertividade do tratamento é algo de extrema importância.

Sendo assim, achar uma instituição competente e que atenda as necessidades do usuário e da família, se torna a maior prioridade. Ao encontrar, o segundo passo agora é em como internar menor de idade em clínicas de recuperação. Ao realizar esses passos, pronto, o pontapé inicial foi dado, aí o resto é com o dependente.

Adolescência e suas Descobertas

A adolescência é uma fase de diversas descobertas, e é nessa transição entre criança e adulto que todo o corpo começa a mudar e se preparar para a fase adulta. É um processo que leva alguns anos, segundo a OMS a adolescência começa aos 10 anos e vai até os 19 anos, ou seja, o corpo demora nove anos para se estruturar para a fase adulta.

Já no âmbito das questões cerebrais, é justamente na adolescência que o cérebro começa a se desenvolver estruturas diferentes e se moldar para a fase adulta. Começam a ser transformadas as estruturas corticais e subcorticais além dos aspectos neurofuncionais.

Por isso, ao iniciar a fase da pré-adolescência é importante que os pais saibam como tratar seus filhos e principalmente os forneçam os estímulos necessários para que os mesmos se tornem adultos não só fisicamente, mas mentalmente saudáveis.

Entretanto, com as mudanças do corpo e mente nesse período, surge na adolescência uma mudança de humor natural e ao mesmo tempo uma fase de contestação bem comum por parte dos jovens. É natural e ocorre com 99,9 por cento dos adolescentes e jovens adultos. E como toda fase de mudanças, é comum que os adolescentes experimentem novas sensações, sentimentos, prazeres e etc.

Infelizmente existem pessoas que, mesmo na adolescência, começam a descobrir que existem meios alternativos de sentir alívio, prazer, satisfação e bem estar de maneira mais fácil, que é a utilização de substâncias psicoativas. Entretanto há um perigo eminente no uso de narcóticos nessa fase, o de deturpar o amadurecimento cerebral.

Triste Realidade

Como a adolescência é uma fase de descoberta e por razões culturais é comum que pais aceitem que os filhos começam a beber nesta fase, não se tem noção que uma das drogas de entrada, a maconha e a cocaína, andam juntamente com o álcool.

Muitos adolescentes tendem, ao utilizar o álcool, a ficar mais relaxados e com menos sensação de medo diante de certas situações. Sejam elas o primeiro beijo, a primeira relação sexual ou até mesmo provar a primeira droga ilícita. Por isso é extremamente importante que pais se atentem aos filhos no quesito consumo de bebidas alcoólicas.

Em caso de consumo de substâncias psicoativas neste período, especialmente como citado – cocaína e maconha – as chances de atrapalhar o desenvolvimento cerebral são altas e contribui para o surgimento de outras comorbidades como bipolaridade, TAG e esquizofrenia.

Atualmente e ao mesmo tempo, infelizmente, o consumo de álcool e drogas ilícitas – especialmente as drogas perturbadoras como a maconha – aumentou consideravelmente na última década no Brasil e isso está se tornando cada vez mais um problema de saúde pública.

Internação de Menores

Quando falamos de procedimento de internação, citamos que os familiares têm que buscar conhecimento sobre as substâncias envolvidas no procedimento de drogadição e ao mesmo tempo, sobre a doença da dependência química.

Conjuntamente é importante pesquisar em CAPS – Centro de Atenção Psicossocial – em como internar menor de idade em clínicas de recuperação, para poder iniciar o tratamento de forma eficaz e rapidamente. Além do mais existem alguns passos simples, principalmente quando se é menor.

  • Menores de 16

Os menores de 16 anos são considerados pelo Código Civil pessoas totalmente incapazes para atuar na vida civil. Entretanto, com recomendação médica e com atuação pelos órgãos regulamentadores legais, é possível que isso ocorra.

  • Maiores de 16

Já no caso dos maiores de 16 anos a situação é diferente. Existe uma maneira fácil de realizar o tratamento de pessoas que são consideradas capazes perante ao Código Civil e que estão com problemas com drogas. A internação voluntária é o meio mais eficaz e existem instituições credenciadas para esse tipo de tratamento.

Ao perguntar-se em como internar menor de idade em clínicas de recuperação de maneira involuntária, existe também essa possibilidade. Mediante à um laudo emitido por um médico psiquiatra, atestando a necessidade de internação, os familiares em conjunto com a assistência social encontram uma clínica e realizam o procedimento de internação.

Independente da Idade, livre-se desta Corrente

A dependência química não é algo bom, muito pelo contrário, ela traz prejuízos irreparáveis e que terão fortes consequências para a vida adulta. Além do mais, se o grau de dependência for alto, e não forem tomadas as devidas providências em relação ao tratamento do usuário, é comum que a pessoa adoeça cada vez mais.

Portanto, livrar-se dessa corrente não é fácil. Exige força, foco, fé, dedicação e empenho para poder realizar um tratamento de acordo com o intuito de reprogramar o cérebro e viver bem. Sendo assim, nos procure, o Grupo Reabilitação já está cada vez mais envolvido no tratamento de menores de idade e dá total apoio às famílias.

Share:
Importante: Este site usa cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.